Quando tirar as fraldas?

Ensinar a criança a usar o sanitário não é questão de idade, mas de momento certo. Alguns sinais indicam quando ela está pronta.

Assim que a criança completa dois anos, começam as pressões para tirar a fralda. A avó diz que é a hora de usar o pinico, a escola só aceita crianças que vão ao banheiro e a filha da amiga já usa calcinha. É comum os pais acreditarem que os pequenos que aprendem mais cedo são mais inteligentes ou têm pais mais competentes. No entanto, sabe-se que o fato de deixar de usar fralda não tem relação com inteligência e que pressionar a criança a largá-la antes da hora gera revolta e resistência.

Parte do sucesso do treinamento está em iniciá-lo quando a criança estiver preparada, independentemente da idade. Os sinais de prontidão são os seguintes:

  • Ela para de brincar para urinar ou defecar, o que mostra que já tem consciência dessas sensações em seu corpo.
  • Ela compreende as palavras referentes ao assunto como “molhada” ou “cocô”.
  • Ela já entende e segue ordens simples, além de pedir algumas vezes para ser trocada (embora nem sempre esteja disposta a parar para tirar fralda).
  • Gosta de imitar o comportamento dos adultos, está aprendendo a tirar e a colocar roupa sozinha e tenta fazer as coisas sem ajuda. Está também numa fase positiva e atende aos seus pedidos.
  • Ela é capaz de sentar-se numa cadeira pequena de três a cinco minutos enquanto você lê uma história ou conversa com ela.

Outro fator que influencia o treinamento higiênico é o temperamento.

Uma criança ativa não vai estar disposta a sentar-se no pinico nem por um minuto. O melhor a fazer é esperar até que ela tenha paciência para ficar sentada e ouvir uma história curta. Crianças com rotina de alimentação, sono e evacuação mais previsível terão mais facilidade para fazer a transição. O tempo de atenção também é uma característica que deve ser levada em conta. No início da aprendizagem, a criança mais concentrada vai conseguir manter o foco no motivo de estar sentada no pinico. Os pais de crianças de personalidade forte, aquelas que expressam sentimentos de alegria, raiva ou tristeza de maneira veemente, terão trabalho extra em controlar as próprias emoções e evitar disputas de poder com os pequenos.

Convém lembrar que o treinamento higiênico não é uma habilidade que a criança aprende sozinha, como andar ou falar. Seu filho vai precisar de ajuda e incentivo para entender o que se espera dele. Na verdade, essa é a primeira vez que se exige da criança empenho para executar determinada tarefa. Dependendo da maneira que conduzimos esse treinamento ela pode sentir-se orgulhosa de suas realizações ou envergonhada de seu fracasso.

Por isso, é importante conquistar o interesse e a cooperação dos pequenos e evitar pressões, ameaças e cobranças exageradas, tão danosas à auto-estima. Não devemos esquecer que esse é um longo processo de aprendizagem, com progressos e retrocessos, e que requer dos adultos envolvidos compreensão e paciência.

Fonte: Escola Canarinho